A Não-Revolução

Jesus na Caxemira – postagem atualizada

Jesus morreu na cruz? O Corão diz que não. Na surata 4.157 podemos ver:

“E por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, senão que isso lhes foi simulado. E aqueles que discordam, quanto a isso, estão na dúvida, porque não possuem conhecimento algum, abstraindo-se tão-somente em conjecturas; porém, o fato é que não o mataram.”

O vídeo acima, da BBC, trabalha a hipótese de Jesus ter ido para a Índia após escapar da cruz. Mostra inclusive o local onde ele supostamente está enterrado. Embora seja um assunto que eu ainda esteja estudando, gostei muito da argumentação exposta, e espero que traduzam um outro vídeo relacionado para o português (está legendado em árabe), para que tenhamos mais material sobre assunto, até porque esse só tem 10 minutos… Espero que gostem.

Atualização – como o vídeo acima saiu do ar, fiquei sem saber o que fazer com essa postagem, já que ainda estou estudando o assunto, e os documentários no youtube estão em inglês e sem legenda (até tem, mas tá em árabe…). Então decidi postar esse vídeo onde aparece o suposto túmulo de Jesus na Caxemira. Espero que dê pra salvar a postagem rs

Anúncios

janeiro 16, 2009 Posted by | Cristianismo, Documentários, Religião, Vídeos | 4 Comentários

Botando ordem na casa

Eu ia fazer algo manjado pra blogs sobre ocultismo e conspiração: explicar o significado real do Natal. Mas tantos outros – como o Teoria da Conspiração e o Morte Súbita – já o fizeram, que não me motivei. Comecei a estudar o assunto mesmo assim, e me deparei com uma montanha de livros que é preciso ler pra reconstruir a história do assim chamado Jesus, ou pelo menos uma versão pessoal mais próxima dos fatos reais.

Uma coisa que me chamou a atenção em meus debates pelo Orkut foi quando um desavisado disse que “O Cristianismo é a religião mais antiga que existe”. Apesar de a frase em si ser uma óbvia burrice, a idéia que ela denuncia é curiosa. Realmente temos a sensação de que o Cristianismo foi a única coisa que existiu, que ele nasceu do jeito que é, e seguiu tranquilamente até os dias de hoje. Nada pode ser mais enganoso. Como diz Stephan A. Hoeller em seu “Gnosticismo”:

É bom relembrar que os padrões da ortodoxia [Quando esse autor fala em ortodoxia, não se refere à Igreja Ortodoxa, que é muito mais tolerante, mas sim, à Igreja Católica e suas herdeiras protestantes] dificilmente existiram nos duzentos ou mais primeiros anos da história cristã. A igreja cristã foi uma coleção solta de comunidades que possuíam uma grande diversidade de crenças e práticas, não tendo nada mais em comum do que uma consideração por Jesus e a sua missão. Se a maré da política eclesiástica não tivesse se desviado para uma uniformidade rígida, …

Muito sangue inocente rolou, muitas mentiras foram contadas, e são repetidas até hoje como se sempre tivessem sido verdades. É fundamental para todos aqueles que querem entender os desígnios de nossa sociedade, que investiguem a história do Cristianismo e dos movimentos que conviveram com ele, e que são seus perseguidos até hoje: os templários, os maçons, os rosa-cruzes e outros.

Mais do que o tamanho da tarefa, me questiono sobre o propósito dela. Provando a verdade, o que vou fazer? Publicar um livro? Escrever neste blog? Esfregar na cara de todo mundo que conheço? Robert Lomas e Christopher Knight em seu “A Chave de Hiram” perguntaram:

Se toda a base do Cristianismo pode ser explicada como sendo um erro tolo, será que o Vaticano irá pedir desculpas pelos incômodos causados, auto abolir-se e devolver toda a sua riqueza e poder ao Rabino de Jerusalém?

A resposta todos já sabem.

Provavelmente vou continuar com a velha prática de sempre das ordens iniciáticas: guardar a verdade em um local discreto, porém acessível aos buscadores sinceros. Ninguém aceita mudanças vindas de fora, apenas a sabedoria interna pode guiar alguém, como me guiou e tantos outro, a esses fatos “secretos”. Ao menos, graças à liberdade de crença garantida pela Maçonaria, posso falar sobre o que eu quiser sem ir pra fogueira.

Pra quebrar um pouco esse clima de reflexão de fim de ano, deixo mais 2 links de natal (ok, estou atrasado, mas vai mesmo assim): o primeiro é um artigo sobre os ritos sazonais celtas (que influenciaram a liturgia cristã), no blog A Sombra do Carvalho. O segundo é um artigo sobre o Natal escrito por Helena Blavatsky em 1879, que não apenas cita as origens pagãs dessa festa como faz uma reflexão sobre o que ela e a igreja se tornaram.

No demais, boas festas a todos!

dezembro 29, 2008 Posted by | Cristianismo, Natal, Religião | 4 Comentários

Nova Era: o que ela é e o que ela não é

É comum eu ver na internet a expressão “Nova Era” associada a uma série de besteiras, confusões, generalizações, e misturebas. Escrevo esse artigo tanto para desmistificar algumas concepções distorcidas, quanto para rir um pouco do preconceito alheio. Como a enrolação que fizeram foi excelente, tive que organizar por tópicos. Lá vai:

A Nova Era é um movimento organizado pelo Diabo

Pra começar, a Nova Era não é um movimento, não é organizada, e nem tem Diabo no meio. O conceito da nova era vem da Astrologia. Mais ou menos a cada 2000 anos, o Sol muda o signo no qual ele nasce durante o Equinócio da Primavera. Atualmente ele nasce no signo de Peixes, e de acordo com vários astrólogos, só passará a nascer no signo de Aquário por volta de 2600. Claro que não é um processo mecânico, mesmo estando alguns séculos antes dessa transição, já estamos “descendo a ladeira” da Era de Peixes. Nova Era é simplesmente isso, a transição da Era de Peixes para a Era de Aquário, e as conseqüências que isso trás para a humanidade.

A Nova Era combate o Cristianismo

Na verdade, o Cristianismo é que combate o bem-estar da humanidade. Não há uma intenção deliberada de acabar com ele, mas sim, um movimento de despertar, natural e espontâneo, que está fazendo as pessoas perceberem as lorotas contadas pelo Vaticano.

A Nova Era é a religião da Nova Ordem Mundial

Já começou a mistura. Nova Ordem Mundial é um assunto que merece um artigo só sobre ele, mas para constar, ele tem relação com a dominação tecnológica, econômica e espiritual das pessoas por parte de um governo único e secreto. Totalmente contrário com o espírito da Nova Era, que é de liberdade, conhecimento e poder para todos. Quem de fato trabalha, e sempre trabalhou para o domínio das massas é o Cristianismo. Basta estudar um pouco de História para perceber isso.

A Nova Era mistura o bem e o mal, unindo todas as religiões em sincretismo

Todas as religiões tem algo de útil a ensinar. Deus não foi patenteado por nenhuma delas, e vamos ser coerentes, se o mundo tem tanta diversidade cultural, porque Ele só mandaria um mensageiro? As religiões orientais mencionam a vinda de vários e vários avatares com mensagens diferentes, para atender às necessidades de diversos povos ao passar do tempo. E agora que podemos estudar seus ensinamentos sem ir para a fogueira, podemos achar várias semelhanças entre eles.

A Nova Era quer igualar os homens a Deus, como tentou Lúcifer

O homem sempre foi Deus, o Cristianismo é que tenta torná-lo menos digno, através do rótulo de “pecador”, e da necessidade artificial de “salvação”. Não existe pecado, nem a necessidade de salvar-se de nada, simples assim, e ninguém está fazendo nenhum esforço para ensinar isso às pessoas – elas estão descobrindo por si sós.

A Nova Era prega a adoração de Gnomos, fadas, ETs e anjos

Essa parte eu reconheço a dificuldade natural de entender. Com tanta esquisoterice por aí, eu mesmo não sei o que é o quê. Mas sei de uma coisa, que é clara e óbvia para qualquer místico, ocultista ou esoterista de qualquer religião (séria): Deus é um só, apesar de seus muitos intermediários.

A Nova Era prega o uso de estados alterados de consciência para enfeitiçar as pessoas

Estados alterados de consciência são usados indiscriminadamente por aí. Militares usam para doutrinar seus soldados, a televisão para estimular comportamentos e igrejas para arrebanhar fiéis. Posteriormente eu vou fazer um post só sobre isso. Em todo caso, é realmente necessário prestar atenção em grupos que trabalham com transe e meditação. Porque você acha que o dízimo só é cobrado depois de muita gritaria na igreja?

A Nova Era prega o relativismo moral

Essa foi a maior besteira que já li. Apesar de realmente existirem pessoas que usam o esoterismo como meio de fazer sacanagem, não se prega nenhum relativismo moral, mas sim, o espírito de liberdade e tolerância. O que está surgindo naturalmente é uma consciência adulta, que consegue transcender a visão maniqueísta de “isso é de Deus, aquilo é do Diabo”.

Agora que já falei tudo que ela não é, vou definir o que ela é: uma mudança de paradigma provocada pelo movimento dos astros no Cosmos. Essa mudança tem múltiplas facetas, mas de forma alguma é um movimento organizado, centralizado, ou intencional: simplesmente acontece, independente das pessoas que tentam desacreditá-la ou distorcê-la.

PS.: Amanda, não deu pra escrever pouco, esse ficou grande mesmo rssssssss

novembro 16, 2008 Posted by | Astrologia, Nova Era, Ocultismo, Religião | 7 Comentários

Infeliz Realidade


Como ando muito atarefado ultimamente, não tem dado tempo de atualizar o blog… Resolvi, para não deixar a casa às moscas, colocar essa imagem, que mostra a triste realidade do nosso país, ou pelo menos da cidade do Rio de Janeiro. Claro que a falta de controle de natalidade não é culpa só da Igreja, mas também do Estado, que não dá uma educação decente. Todo mundo sabe que população instruída não sai botando filho no mundo a torto a direito, pra depois acabar preso ou morto.
Fica aí o meu protesto, quando o tempo folgar, continuamos com a programação normal. Obrigado ao Gustavo pela imagem, valeu!

novembro 14, 2008 Posted by | Bobeira, Política/Economia, Religião, Violência | 5 Comentários

Manifesto Rosacruz

Esse texto, escrito em 20 de março de 2001, é a posição da AMORC – Antiquus Mysticusque Ordo Rosae Crucis – (para saber mais sobre ela, clique aqui) sobre a situação da humanidade, nos mais variados aspectos: política, economia, religião, espiritualidade, ciência, relações pessoais, etc. Como ele se alinha perfeitamente com as idéias da Não-Revolução, resolvi postá-lo (para ler o texto completo, clique aqui).

Destaco os seguintes trechos:

“Neste período de transição da História, a Regeneração da Humanidade nos parece mais que nunca possível em virtude da convergência das consciências, da generalização das trocas internacionais, da expansão da mestiçagem cultural, da universalização da informação, bem como da interdisciplinaridade que existe desde já entre os diferentes ramos do saber. Mas consideramos que essa Regeneração, que deve funcionar tanto no plano individual quanto no coletivo, só se pode fazer privilegiando-se o ecletismo e seu corolário, a tolerância. Com efeito, nenhuma instituição política, nenhuma religião, nenhuma filosofia, nenhuma ciência detém o monopólio da Verdade. Isto posto, podemos nos aproximar dessa Regeneração colocando em comum o que essas instituições têm de mais nobre a oferecer aos seres humanos, o que redunda em buscar a unidade através da diversidade.”

[Agora vai explicar isso pros evangélicos… Até mesmo os ateus, que posam de tolerantes, mostram as garras quando você aponta pra algo além da materialidade. Principalmente quando o que você mostra tem embasamento científico]

“Seja o que for que se pense disso, os sistemas políticos baseados num monologismo, isto é, num pensamento único, têm com freqüência em comum o fato de imporem ao Ser Humano “uma doutrina da salvação” que se presume libertá-lo de sua condição
imperfeita e elevá-lo a um status “paradisíaco”. Por outro lado, a maioria deles não pede ao cidadão que reflita e sim que creia, o que os assemelha, na realidade, a “religiões laicas”.”

[Qualquer semelhança com o Comunismo é não mera coincidência. Quem tiver saco pra ler o texto todo, vai ver que essa parte fala mesmo sobre o Comunismo]

“No tocante à economia, consideramos que ela está completamente à deriva. Todo mundo pode constatar que ela condiciona cada vez mais a atividade humana e é cada vez mais normativa. Hoje em dia ela assume a forma de redes estruturadas muito influentes e, portanto, dirigistas, quaisquer que sejam suas aparências. Por outro lado, mais que nunca ela funciona a partir de valores determinados que se pretende quantificáveis: custo de produção, limiar de rentabilidade, avaliação do lucro, duração do trabalho, etc. Esses valores são consubstanciais com o sistema econômico atual e lhe fornecem os meios de alcançar os fins que persegue. Infelizmente, esses fins são fundamentalmente materialistas, porque baseados no lucro e no enriquecimento excessivo. Assim é que se chegou a colocar o Ser Humano a serviço da economia, quando essa economia é que deveria ser colocada ao serviço do Ser Humano.”

“Em certa medida, a ciência tornou-se uma religião, mas uma religião materialista, o que é paradoxal. Fundada numa abordagem mecanicista do Universo, da Natureza e do próprio Ser Humano, ela tem seu próprio credo (“Só acreditar naquilo que veja”) e seu
próprio dogma (“Nenhuma verdade fora dela”). Isto posto, observamos no entanto que as pesquisas que ela realiza sobre o como das coisas levam-na cada vez mais a se interrogar sobre o seu porquê, de modo que ela pouco a pouco toma consciência de seus limites e nisso começa a se juntar ao misticismo. Certos cientistas, ainda raros, é verdade, chegaram mesmo a propor a existência de Deus como postulado. É de se notar que a ciência e o misticismo estavam muito ligados na Antiguidade, a tal ponto que os cientistas eram místicos e vice-versa. É precisamente a reunificação desses dois meios de conhecimento que precisa ser realizada no decorrer das próximas décadas.”

[Se bem que as coisas estão mundando. Basta ler livros como “A Física da Alma”, de Amit Goswami ou “O Tao da Física” de Fritjof Capra]

“O problema colocado atualmente pela tecnologia provém do fato de que ela evoluiu muito mais rápido do que a consciência humana. Consideramos também que é urgente que ela rompa com o modernismo atual e se torne um agente de humanismo. Para isso é imperativo recolocar o Ser Humano no centro da vida social, o que, em conformidade com o que dissemos a respeito da economia, implica recolocar a máquina a seu serviço. Essa perspectiva requer total reconsideração dos valores materialistas que condicionam a sociedade atual. Isso supõe, por conseguinte, que todos os homens voltem a se centrar em si mesmos e enfim compreendam que é preciso privilegiar a qualidade de vida e cessar essa corrida desenfreada contra o Tempo. Ora isso só será possível se eles reaprenderem a viver em harmonia, não somente com a Natureza, mas também com eles próprios. O ideal seria que a tecnologia evoluísse de tal maneira que libertasse o Ser Humano das tarefas mais penosas e ao mesmo tempo lhe permitisse desabrochar harmoniosamente em contato com os outros.”

“A sobrevivência das grandes religiões depende mais que nunca de sua aptidão para renunciar às crenças e posições mais dogmáticas que elas adotaram com o passar dos séculos, tanto no plano moral como no doutrinário. Para que elas perdurem, devem imperiosamente se adaptar à sociedade. Se não se derem conta, nem da evolução
das consciências nem do progresso da ciência elas se condenarão a desaparecer a um prazo mais ou menos longo, não sem provocar ainda mais conflitos étnico-sócio-religiosos. Mas, na realidade, presumimos que seu desaparecimento é inevitável e que, sob o efeito da globalização das consciências, elas darão nascimento a uma Religião universal que integrará o que elas tinham de melhor a oferecer à Humanidade para a sua Regeneração. Por outro lado, pensamos que o desejo de conhecer as leis divinas, isto é, as leis naturais, universais e espirituais, há de cedo ou tarde suplantar a necessidade exclusiva de crer em Deus. Nisso, postulamos que a crença um dia dará lugar ao Conhecimento.”

[Os Pentecostalismo malandramente se adaptou às nece$$idades dos fiéis, por isso ele está crescendo, enquanto os padres perdem fiéis a cada dia…]

Bom, embora eu tenha selecionado as melhores partes para “poupar trabalho” aos leitores com pouco tempo, espero sinceramente que alguém encare as 33 páginas do texto na íntegra…

outubro 29, 2008 Posted by | Ambientalismo, AMORC, Política/Economia, Religião | 1 Comentário

Zeitgeist Addendum – A Revolução é Agora!

Pouco tempo depois de eu criar A Não-Revolução, blog cujo espírito é a mudança do sistema “de dentro dele”, sem militância, bandeiras, partidos políticos ou novas religiões/filosofias, surge o filme Zeitgeist Addendum, com uma proposta radical – A Revolução é Agora – e a propaganda de um movimento mundial – O Movimento Zeitgeist.

Quem viu o primeiro filme, Zeitgeist, sabe o que o Cristianismo, o Terrorismo, e os Bancos Centrais têm em comum: todos são ferramentas para o controle das massas. Aproveitando as idéias já exibidas, Peter Joseph lança um segundo filme, Zeitgeist Addendum, onde ele revela mais de suas intenções revolucionárias, e inclusive chega a convocar aqueles que assistirem a participar da resistência contra o establishment.

Para assistir Zeitgeist, clique aqui.

Para assistir Zeitgeist Addendum, clique aqui.

outubro 23, 2008 Posted by | Documentários, Política/Economia, Religião, Zeitgeist | 3 Comentários

Edir Macedo conclama os evangélicos a tomarem o poder


Às vésperas das eleições, Edir Macedo lança um livro pregando que os cristãos (leia-se membros da Igreja Universal) assumam o poder político. É possível ver a capa e ler algumas páginas aqui.

É interessante notar na capa que as palavras “Poder” e “Edir Macedo” são as únicas escritas em vermelho. Seria uma mensagem subliminar? Não podemos afirmar. Mas podemos ler a introdução e notar que se fala pouco na bíblia; o texto é composto mais por termos técnicos e frases elaboradas para fazê-lo parecer erudito. Destaco o seguinte parágrafo:

“É necessário, portanto, ter o mínimo de discernimento e bom senso para entender que esta obra não se propõe à incitação de um regime teocrático. Até porque o Estado brasileiro é laico e a liberdade de crença é assegurada constitucionalmente. Mas o intuito real é despertar o potencial – que tem estado adormecido – de um povo sério, com propostas progressistas e inovadoras.”

Falando assim a gente até acredita, não é? Então que tal compararmos a esse trecho, já do primeiro capítulo (onde ele já começa a mostrar a que veio):

“Quantas pessoas têm de fato a compreensão do verdadeiro significado da política? Maquiavel a definiu como “A arte de governar e estabelecer o poder.” (O Príncipe) Sendo assim, do ponto de vista de Deus, com quem você acha que Ele desejaria que estivesse esse poder e domínio? Nas mãos do Seu povo, ou não?”

A obviedade desse trecho dispensa maiores comentários. O que assusta não é o fato de Edir estar querendo mais poder, isso não é novidade pra ninguém; mas sim, de ele estar admitindo abertamente sua ambição relativa ao Brasil.

O que mais precisa acontecer para que a sociedade dê um basta nessas empresas travestidas de religião?

setembro 29, 2008 Posted by | Cristianismo, Política/Economia, Religião, RM Corporation | 1 Comentário